Jovens das Oficinas Querô realizam estreia de filme sobre racismo infantil na terça (12/12)

by Instituto Querô

  • Postado em 16/11/2017

Curta-metragem ANA (46)

Curta-metragem ANA traz duas protagonistas negras para a tela do cinema e foi todo produzido por jovens de 14 a 18 anos da Baixada Santista

Chegou a hora de assistir os curtas-metragens produzidos pelos jovens das Oficinas Querô em 2017. Este ano, foram duas obras audiovisuais realizadas, sendo a principal delas o curta-metragem ANA, que mobilizou as redes sociais durante uma campanha de financiamento coletivo realizado pelos jovens, para produzirem o filme e levarem o tema do racismo infantil às telas do cinema. O resultado será visto na terça-feira (12/12), na tradicional Sessão de Estreia das Oficinas Querô, no Cine Roxy 5 (Gonzaga), às 20 horas.

Todo o trabalho de roteiro, direção, produção, filmagem e edição foram realizados por jovens de 14 a 18 anos das cidades de Santos, São Vicente, Cubatão e Praia Grande. Com duas protagonistas negras, o curta-metragem ANA busca dar representatividade à mulher negra, levantando questões como racismo e auto-identificação.

“A ideia de produzir o curta surgiu de um dos nossos colegas das Oficinas Querô, que presenciou uma criança que se desenhou como branca durante uma atividade. Nos sensibilizamos com a história e fomos descobrindo entre nós mesmas, meninas no Querô, situações que passamos na infância e decidimos produzir um filme a partir daí, mostrando o que vivem muitas  pretas que não reconhecem ou reprimem a própria identidade, vítimas de racismo desde pequenas”, revela a jovem diretora do filme, Vitória Felipe dos Santos, de 18 anos.

A partir do filme ANA, os jovens também produziram o documentário Estigma, que aborda o racismo por meio de depoimentos de mulheres que tiveram contato com a turma durante a realização do curta-metragem.

Em 2017, o Instituto Querô contou com patrocínio da CMOC Internacional Brasil, Banco Votorantim e thyssenkrupp. As Oficinas Querô acontecem desde 2006 e cerca de 400 jovens já passaram pelo projeto. Com mais de 10 anos de atuação, já foram 105 obras audiovisuais produzidas, entre curtas, séries e um longa-metragem, e 51 prêmios conquistados. O projeto é uma realização do Instituto Querô e Ministério da Cultura, com apoio da Prefeitura de Santos e Unimonte. Mais informações no site www.institutoquero.org e nas redes sociais: Facebook www.fb.com/institutoquero; Instagram (@institutoquero).

Sobre o filme – Conta a história de Ana, uma menina que não se reconhece como negra. Jeannette, uma professora refugiada do Congo que trabalha como faxineira na escola de Ana, mesmo não falando português e com dificuldades de adaptação, decide ajudar a menina na busca pela valorização de suas características. Para ser ainda mais fiel à causa negra, o filme contou com a tutoria e co-produção da Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro – APAN, que luta pela representatividade dos negros no cinema.

“Buscamos também trazer um pouco da realidade dos refugiados que vivem no país, que muitas vezes, só se deparam com o racismo ao chegarem no Brasil. Para isso, além de contar com uma atriz congolesa no filme, também visitamos grupos de refugiados em São Paulo, que nos ajudaram durante toda a adaptação da história”, revela a diretora Vitória

SESSÃO DE ESTREIA DOS CURTAS DAS OFICINAS QUERÔ 2017
Quando: terça-feira, 12 de dezembro
Horário: 20 horas
Local: Cine Roxy 5 (Avenida Ana Costa, 433 – Gonzaga/Santos)


Produtora Querô Filmes

O Instituto

O Instituto Querô é uma OSCIP, que apoiada pelo UNICEF utiliza o audiovisual como ferramenta para estimular talentos, e ampliar horizontes profissionais para jovens em situação de risco social.

Em nossas oficinas promovemos a inclusão cultural, com aulas de cidadania, humanismo e desenvolvemos o empreendedorismo, resultando em jovens mais conscientes e participativos.